Terapia assistida por animais (TAA): a natureza como aliada

Terapia assistida por animais (TAA): a natureza como aliada

Macarena PSN

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Edward O. Wilson, renomado biólogo e entomologista norte-americano da Universidade de Harvard, é mundialmente conhecido por seu trabalho sobre a evolução das espécies e pelas suas descobertas em sociobiologia. Wilson inventou uma teoria fantástica chamada biofilia, ou o amor inato dos humanos por tudo o que é vivo e natural. De acordo com o cientista, os seres vivos – e toda a natureza na sua diversidade – são capazes de nos fazer sentir melhor, de nos ajudar, de começar um sorriso e até de intervir em tratamentos clínicos. O intercâmbio entre homem e a natureza tem um impacto na inteligência, nas emoções, na criatividade, no sentido estético, na expressão verbal e até na curiosidade.

É nesta teoria saudável que se baseia a Terapia Assistida com Animais (TAA), uma prática que pode ser parte de uma abordagem de cuidados voltada para todos os tipos de pessoas, com o objetivo de ajudar na prevenção e tratamento de doenças. Consiste num recurso de apoio para o trabalho de médicos e terapeutas em qualquer campo, como é o caso de crianças com mutismo seletivo, autismo, deficiência intelectual ou paralisia cerebral.

Os co-terapeutas

A mecânica é simples: um animal é integrado como parte do tratamento, para ajudar o profissional de saúde que dirige a terapia a alcançar seus objetivos nas funções físicas, sociais, emocionais e cognitivas exigidas pelo paciente. É essencial ter claro que é uma terapia sempre dirigida por profissionais de saúde ou de educação. Isso vai além da iniciativa de dar ao paciente um animal de companhia; é um recurso real de assistência médica.

Neste caso o animal torna-se num verdadeiro co-terapeuta e tem características de aprendizagem induzidas muito específicas. As TAAs mais comuns são feitas com cães (cinoterapia), coelhos, cavalos (hipoterapia) e golfinhos.

A quem está dirigido?

As TAA podem fazer parte de programas voltados para diferentes grupos de pacientes. A sua implementação é muito popular em projetos com pessoas idosas sozinhas e em residências geriátricas, com doentes mentais e crianças com necessidades psíquicas e físicas específicas.

Mas há também programas muito bem-sucedidos focados noutros grupos especialmente sensíveis e que precisam de reabilitação: centros penitenciários, apartamentos protegidos para menores e para mulheres e crianças vítimas de violência de género.
De volta a Edward O. Wilson, acaba por não restar qualquer dúvida: temos a marca da natureza no nosso ADN e a terapia assistida por animais é um recurso que está totalmente ao nosso alcance!

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Deixar uma resposta

Gostaríamos de conhecer a sua opinião, mas alertamos que os comentários são moderados e não aparecem imediatamente na página, quando são enviados.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

*

X

Uso de Cookies

Este site utiliza cookies para facilitar e melhorar a sua navegação. Pode configurar o navegador para recusar os cookies. Se continuar a navegar consideramos que consente a sua utilização. Se pretende saber mais sobre os cookies utilizados. Pode consultar a nossa Política de Cookies.