Envelhecimento ativo: uma revolução silenciosa

Envelhecimento ativo: uma revolução silenciosa

Grupo PSN
Grupo PSN

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O envelhecimento ativo é uma das grandes descobertas de nossa sociedade atual, na qual ganhamos a batalha da longevidade. A Organização Mundial de Saúde define o envelhecimento ativo como o processo de otimização das oportunidades para a saúde, participação e segurança, para melhorar a qualidade de vida das pessoas à medida que envelhecem. O envelhecimento ativo permite que as pessoas percebam o seu potencial físico e social, centrando-se nas pessoas com mais idade e na importância de dar uma imagem pública positiva desse grupo.

Neste blogue falámos recentemente sobre a necessidade de criar uma nova cultura sobre o envelhecimento e de como é necessário atualizar a nossa perceção da realidade para redescobrir os idosos e o papel que eles desempenham na nossa sociedade. Uma sociedade com longevidade não deverá ser sinónimo de algo ultrapassado e desvalorizado, apesar de ser também uma sociedade dependente. É que falamos também de uma sociedade cada vez mais diversificada, na qual os mais antigos são um novo recurso e representam um novo valor.

Necessidade de uma nova estrutura social e alocação de recursos

Para garantir o seu desenvolvimento o envelhecimento ativo requer um cenário social adequado. Conforme indicado no Livro Branco sobre o Envelhecimento Ativo, é necessária uma reorganização do espaço político, económico, social e cultural, o que permite a intervenção a 100% das suas possibilidades para os idosos. Criar um novo modelo de convivência é vital porque se trata do futuro de todas as gerações – o nosso e dos que virão. E a construção deve começar hoje.

As autoridades e os gestores dos bens comuns têm que trabalhar em diferentes frentes: Saúde, Dependência, Habitação, Transportes, Urbanismo, Educação, Previdência Social, Cultura e Lazer. Em cada uma dessas frentes de ação existem dois objetivos principais: a provisão de recursos, por um lado, e a criação de espaços adaptados para garantir que as pessoas idosas permaneçam integradas na vida ativa da sua comunidade, cidade e região.

Os benefícios, em termos de integração, satisfação e autonomia não esperam. E como afirma com humor

Alexandre Kalache

, especialista em envelhecimento e diretor do Programa da OMS “Envelhecimento e Ciclo de Vida”, a partir de 2008 a idade cronológica deixou de ser uma ferramenta útil para medir a velhice depois da reforma, a partir do momento em que temos mais 30 anos pela frente. Não pode fingir que vai passar todos esses anos a fazer crochet!”

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Deixar uma resposta

Gostaríamos de conhecer a sua opinião, mas alertamos que os comentários são moderados e não aparecem imediatamente na página, quando são enviados.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

*

X

Uso de Cookies

Este site utiliza cookies para facilitar e melhorar a sua navegação. Pode configurar o navegador para recusar os cookies. Se continuar a navegar consideramos que consente a sua utilização. Se pretende saber mais sobre os cookies utilizados. Pode consultar a nossa Política de Cookies.