Enfrentar a emergência climática desde o sistema de saúde

Enfrentar a emergência climática desde o sistema de saúde

Grupo PSN
Grupo PSN

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quase sem tempo para estabelecer metas de longo prazo e após a última Cimeira do Clima, realizada em Madrid, a conclusão a que se chegou é que as alterações climáticas são uma ameaça real e atual. Reverter os efeitos da poluição global é um desafio que deve ser enfrentado por toda a população, desde as autoridades governamentais, às grandes multinacionais e até setores como a saúde. Mas de que maneira deve o sistema de saúde abordar a emergência climática e ambiental?

O sistema de saúde e os seus profissionais desempenham um papel fundamental na luta contra as mudanças climáticas sob duas perspetivas ou responsabilidades: por um lado, no campo da saúde e no papel que desempenham na hora de prestar cuidados, curar e prevenir doenças; e, por outro lado, do ponto de vista da responsabilidade ambiental.

Emergência climática e saúde são dois termos que, infelizmente, andam de mãos dadas, uma vez que as consequências da poluição e das alterações climáticas afetam cada vez mais pessoas. Morrem quase 9 milhões de pessoas por ano devido à poluição do ar, das quais entre 40% e 89% devido a problemas cardiovasculares. A OMS considera a saúde um pilar básico do acordo sobre o clima, uma vez que são os profissionais de saúde que têm o dever de combater as doenças que podem surgir das alterações climática, como por exemplo a deterioração da qualidade dos alimentos, do ar e da água, ou a proliferação de vírus e doenças. Apesar de se saber do valor da medicina e da saúde no processo das alterações climáticas, ainda não adquiriram peso suficiente nem financiamento, uma vez que “menos de 3% dos itens do Fundo Verde para o Clima estão destinados a setor de saúde ”.

Apesar disso, os desafios que os profissionais de saúde devem enfrentar quando lidam com a emergência climática têm a ver principalmente com a adaptação ao contexto atual, investigação, identificação e formação, assegurando assim a capacidade de diagnóstico e terapêutica face às mudanças nas doenças e perfis dos pacientes.

A segunda perspetiva que o setor da saúde deve abordar na emergência climática tem a ver com seu papel de evitar contribuir para o aquecimento global. Utiliza-se um grande número de materiais descartáveis e resíduos altamente poluentes, além de cadeias de suprimento e distribuição de produtos e mercadorias com impacto negativo no meio ambiente.

Para fazer face a esta situação, é necessário um forte compromisso para a correta gestão e tratamento dos resíduos sanitários, assim como dos bens necessários, reduzir o consumo de água em hospitais, implantar energias renováveis e limpas… tudo isso, Metas do Desafio 2020 da Saúde pelo Clima.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Deixar uma resposta

Gostaríamos de conhecer a sua opinião, mas alertamos que os comentários são moderados e não aparecem imediatamente na página, quando são enviados.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

*

X

Uso de Cookies

Este site utiliza cookies para facilitar e melhorar a sua navegação. Pode configurar o navegador para recusar os cookies. Se continuar a navegar consideramos que consente a sua utilização. Se pretende saber mais sobre os cookies utilizados. Pode consultar a nossa Política de Cookies.