Dia Internacional da Mulher 2018: agora é o momento

Dia Internacional da Mulher 2018: agora é o momento

Grupo PSN
Grupo PSN

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O Dia Internacional da Mulher é uma data bem conhecida no calendário, comemorada há mais de um século. E apesar desta longevidade é uma data que continua bem atual e a mensagem que lhe está subjacente não pode fazer mais sentido. Celebramos um movimento internacional sem precedentes a favor dos direitos, da igualdade, da segurança e da justiça para mulheres e meninas em todo o mundo.

Ao longo de uma História que parece escrita e vivida apenas pelos homens, este dia representa o auge do pensamento coletivo para lembrar a presença das mulheres em todas as correntes trabalhistas, científicas, culturais e sociais. A celebração do Dia da Mulher vem assim destacar o papel das mulheres na sociedade.

O desafio da igualdade de género

Este ano a situação internacional exige a todos uma grandeza de visão. Mais do que as reivindicações ideológicas, o desígnio internacional exige que neste dia coloquemos os nossos olhos nas situações muito graves que milhões de mulheres, raparigas e meninas passam em todo o planeta. Sem dúvida as guerras, com os seus fluxos de refugiados forçados que fogem com as suas famílias da violência, bem como as condições de extrema pobreza material e cultural em que muitas sociedades vivem, devem realmente prender o nosso olhar.

De acordo com dados das Nações Unidas, existem 18 países nos quais os cônjuges podem legalmente impedir que as suas esposas trabalhem; e em 39 países filhas e filhos não possuem os mesmos direitos hereditários.

Uma questão bem atual é a violência e o assédio sexual sobre as mulheres. Foi necessário o aparecimento de um movimento na meca do cinema – o #MeToo – para colocar esta grande discriminação no centro das atenções dos governos, das associações e das empresas. No entanto, este fluxo de libertação das mulheres tem que ser estendido a cada país e ao respetivo cenário social, de modo que chegue a cada rapariga, e a cada mulher. Trata-se de um objetivo muito ambicioso, sobretudo se considerarmos os números mais recentes (Fonte: UN Women):

  • Uma em cada cinco raparigas e mulheres (até aos 50 anos) relatou ter sofrido violência física ou sexual nas mãos de um parceiro íntimo num período de 12 meses;
  • Há ainda 49 países não possuem leis que protejam as mulheres contra a violência doméstica;
  • Cerca de 200 milhões de meninas e mulheres em 30 diferentes países sofreram mutilação genital feminina e 750 milhões de raparigas casam antes de atingir os 18 anos de idade.

Agora é o momento

Este ano a Organização das Nações Unidas convida-nos a participar na campanha “Agora é o momento: as ativistas rurais e urbanas que transformam a vida das mulheres” (#TimeIsNow), que possui como principais desafios:

  • Refletir sobre os progressos alcançados;
  • Manifestarmo-nos a favor da mudança. É necessário uma sociedade 50-50;
  • Prestar homenagem a mulheres comuns e extraordinárias, que mudaram o mundo através das suas palavras e das suas ações.

 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Deixar uma resposta

Gostaríamos de conhecer a sua opinião, mas alertamos que os comentários são moderados e não aparecem imediatamente na página, quando são enviados.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

*

X

Uso de Cookies

Este site utiliza cookies para facilitar e melhorar a sua navegação. Pode configurar o navegador para recusar os cookies. Se continuar a navegar consideramos que consente a sua utilização. Se pretende saber mais sobre os cookies utilizados. Pode consultar a nossa Política de Cookies.