O Dia Mundial Humanitário

O Dia Mundial Humanitário

Grupo PSN
Grupo PSN

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Amanhã celebra-se o Dia Mundial Humanitário sob o lema “O Mundo que preferirias”. Para todos nós é uma recordação anual da necessidade de atuar para aliviar o sofrimento. É também uma ocasião para honrar os trabalhadores humanitários e os voluntários que estão presentes na primeira linha de conflito e especialmente os que perderam a vida nesta nobre atividade. Prestamos homenagem aos homens e mulheres dedicados que enfrentam o perigo para ajudar os outros que correm riscos ainda maiores.

A campanha tem objetivos concretos: recolher dinheiro para o Fundo Central de Resposta a Situações de Emergência estabelecido pelas Nações Unidas e conseguir o apoio de pessoas de todo o mundo para que atuem como mensageiros da humanidade. Necessitamos que todas as pessoas exijam às suas sociedades e aos seus Governos que coloquem a humanidade em primeiro plano.

Um recorde de 130 milhões de pessoas depende de ajuda humanitária para sobreviver. Ao todo, estas pessoas necessitadas constituiriam a décima nação com mais população da Terra.

Que entidades da ONU prestam ajuda humanitária?

Há quatro entidades da ONU que desempenham papéis fundamentais na hora de prestar ajuda humanitária: o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD), a Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA). O PNUD é a agência responsável pelas operações de mitigação e prevenção de desastres naturais e de preparação para estes. Quando ocorre uma emergência, os coordenadores residentes do PNUD coordenam as equipas de socorro e reabilitação a nível nacional.

Ajudar os refugiados

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) surgiu no pós Segunda Guerra Mundial para ajudar os europeus deslocados pelo conflito. A agência dirige e coordena medidas internacionais para proteger os refugiados e solucionar os seus problemas em todo o mundo. A Assembleia Geral criou o Organismo de Obras Públicas e Socorro das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina e do Médio Oriente (UNRWA) para prestar auxílio de emergência a 750 mil refugiados palestinianos que perderam as suas casas e meios de vida como resultado do conflito israelo-árabe de 1948.

Ajudar as crianças

Desde a sua fundação, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) tem trabalhado para alcançar o máximo de crianças possível e proporcionar-lhes soluções efetivas e exequíveis com o objetivo de neutralizar as principais ameaças para a sua sobrevivência. A UNICEF também insta constantemente os Governos e as partes beligerantes a protegerem as crianças de forma efetiva. 

Alimentar os famintos

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) presta auxílio a milhares de pessoas vítimas de desastres. É responsável por mobilizar alimentos e fundos nas operações de alimentação para refugiados em grande escala coordenadas pelo ACNUR. Frequentemente recorre-se à Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) para ajudar os agricultores e criadores de gado a restabelecer a produção após inundações, epidemias que afetem o gado e emergências similares. O Sistema Mundial de Informação e Alerta Inicial da FAO publica relatórios mensais sobre a situação alimentar mundial. Os alertas especiais, dirigidos aos Governos e organizações humanitárias, identificam os países ameaçados pela escassez de alimentos.

Tratar os doentes

A Organização Mundial da Saúde (OMS) coordena a resposta internacional a emergências de saúde. A OMS é responsável por liderar em temas de saúde mundial, programar a agenda de investigação na saúde, estabelecer critérios e padrões, articular políticas fundamentadas em factos e proporcionar assistência técnica aos países, para além de supervisionar e assessorar em matéria de saúde. No século XXI, a saúde é uma responsabilidade partilhada que requer um acesso equitativo aos serviços de saúde básicos e uma defesa coletiva perante os perigos transnacionais.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Deixar uma resposta

Gostaríamos de conhecer a sua opinião, mas alertamos que os comentários são moderados e não aparecem imediatamente na página, quando são enviados.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

*

X

Uso de Cookies

Este site utiliza cookies para facilitar e melhorar a sua navegação. Pode configurar o navegador para recusar os cookies. Se continuar a navegar consideramos que consente a sua utilização. Se pretende saber mais sobre os cookies utilizados. Pode consultar a nossa Política de Cookies.